Fiveblueapples Promo : Pablo Neruda


Posted by: Dr. Lavinia Goldstein FIVEBLUEAPPLES

Luminous mind, bright devil

Luminous mind, bright devil
of absolute clusterings, of upright noon—:
here we are at last, alone, without loneliness,
far from the savage city’s delirium.

Just as a pure line describes the dove’s curve,
as the fire honors and nourishes peace,
so you and I made this heavenly outcome.
The mind and love live naked in this house.

Furious dreams, rivers of bitter certainty,
decisions harder than the dreams of a hammer
flowed into the lovers’ double cup,

until those twins were lifted into balance
on the scale: the mind and love, like two wings.
—So this transparency was built. 

De la inceput!


click in imagine pentru a deschide in pagina noua , primul blog  din acest site

1 Octombrie 2010

 Cu doar 338 posturi scrise in Canada, United States, Portugalia, New Zealand si Australia in Limba Romana  am incercat sa va atragem atentia asupra unui fapt ce ades este trecut cu vederea …perfectionarea, automantuirea si biruinta mersului in echilibru in aceasta efemera  dimensiune intre doua contrarii.

Marea majoritate a posturiilor trateaza subiectul simbolului alchimic ca un fapt nu intamplator ce exista in constiinta individului; am discutat despre semnificatia eXoterica si eSoterica a simbolului occult, am discutat despre Arta Regala a masoneriei fie ea regulara sau iregulara ; am discutat despre simbologia Tarotului si cum (aproximativ) functioneaza acesta relationat cu anticipatia; am discutat incercand sa ne explicam ce este inconstientul si cat de valoroasa este lucrarea Opere Complecte a lui Dr. Carl G. Jung.

Recent de aproximativ un an am introdus in discutiile noastre acel subiect ce inca este un TABOO pentru multi : Ritualul , fie el pagan in forma sa : new age, fie despre ritualul alchimic sau cel masonic Scottish Rite 33º  ; despre cele Sapte etape ale pregatirii dupa initiere a Procesului transmutatiei alchimice; despre alchimia egipteana si cea medievala…si toate acestea transpuse in intelegerea pe care , noi, voi, o avem azi vis a vis de viata pe care o traim.

Idealuriile  atelierului celor Cinci Mere Albastre ( FIVEBLUEAPPLES) nu sunt cu nimic mai deosebite decat cele ale idealistilor din toate timpuriile. Consideram astfel ca prezenta noastra ar mai putea stimula minti si ganduri care ar putea aduce un MAINE mai bun, mai frumos, mai perfectionat, util individului pentru perfectionare si pentru a devenii UMAN si STRALUCITOR.

HERMETISMUL este un mod de prezentare ce in ascuns dezvaluie mistere si lucruri la care nici nu te gandesti ca exista. Oricine incepe aceasta cale -nu usoara!- devine un iluminat…unii mai greu , altii mai repede insa toti prin munca asidua si lupta cu Eu-l si penibila umbra ajungem in acelas loc.

Prea multe nu sunt de spus decat daca dorim sa filosofam mai mult…filosofia este un exercitiu al gandirii si nimic mai mult…aceasta ades “promite miezul si ofera cojiile” … din acest motiv am decis ca acest site sa “ramana asa” fara a mai complica si mai mult existenta cuiva. Cine a inteles din toate aceste 338 de posturi ca METAFORA este o referire si ca aceasta referire are o rezolutie asa cum o percepi cu limita si claritatea capacitatiilor tale , nu mai are nevoie de a scotocii prin adancul intunecat al mintii pentru a gasi “comoara cea de pret”…

Este simplu : “Gandesc deci exist!”  deci daca ai constientizat aceasta incearca sa te observi din afara ta asa cum esti privit, vezi ce poti adauga si ce poti ajusta. In acest mod devii util si tranzmiti generatiilor viitoare UN BUN DE PRET , informatia si utilul ei.

Proiecte de viitor:

Am dori nespus sa avem ceva ce nu exista ” TIMP” … pentru a continua acest site in solutie optima pentru voi toti. Am hotarat ca postariile viitoare sa fie sub forma video blog in care daca nu ai timp sa citesti poate ai timp sa asculti. Desigur aceasta schimbare si utilul ei presupun investitii si o noua strategie a publicatiei.

Speram ca pe viitor sa avem parte si de timp si de finantare… munca voluntara in favoarea comunitatii este salutara insa daca nu stii sa o gestionezi poate fi de scurata durata.

Pana atunci , sfatul nostru ar fi sa relua-ti unele bloguri ce va sugereaza solutia pe care se doreste a fi revelata… noi nu incercam sa iti spunem tie ce este bine si ce este rau insa din experienta si studiile noastre impartim public idei, opinii, crezuri si chiar dileme.

Nu uita sa FI TU…UMAN STRALUCIT SI BUN util progresului, socialului semenilor tai si naturii.

FA TOT CE VREI…NIMANUI RAU!

 *** Pentru a obtine accesul la bloguriile post protejate cu parola adreseaza in mesaje private in pagina de profil mesaj privind aceasta solicitare. In TOP PAGE in acest site ai link direct catre profilele noastre.

advertising fiveblueapples


Pregatim un vis mai vechi…video blogul. Tot ce este posibil incepand din acest an 2012.

FIVEBLUEAPPLES


Rugaciunea lui Dante (Dante`s prayer)


Dante`s prayer

by Artist: Loreena McKennitt (Buy Loreena McKennitt CDs
Album: The Book Of Secrets

”   When the dark wood fell before me
And all the paths were overgrown
When the priests of pride say there is no other way
I tilled the sorrows of stone

I did not believe because I could not see
Though you came to me in the night
When the dawn seemed forever lost
You showed me your love in the light of the stars

Cast your eyes on the ocean
Cast your soul to the sea
When the dark night seems endless
Please remember me

Then the mountain rose before me
By the deep well of desire
From the fountain of forgiveness
Beyond the ice and the fire

Cast your eyes on the ocean
Cast your soul to the sea
When the dark night seems endless
Please remember me

Though we share this humble path, alone
How fragile is the heart
Oh give these clay feet wings to fly
To touch the face of the stars

Breathe life into this feeble heart
Lift this mortal veil of fear
Take these crumbled hopes, etched with tears
We’ll rise above these earthly cares

Cast your eyes on the ocean
Cast your soul to the sea
When the dark night seems endless
Please remember me…   “

 
 
 
 

O LUZIERO ( Luceafarul) de Mihai Eminescu


Am publicat un document rar intalnit in aceasta forma , este vorba de LUCEAFARUL de Mihai Eminescu tradus in Limba Portuguesa multumita reviziei si adaptarii sensului cuvintelor in limba materna a prietenei mele , sstr. Maria Isabel Mendes ,Lisboa Portugal.
Trebuie stiut ca valoarea lui Eminescu pentru romani este ceeace este Luís de Camões (Wikipedia) pentru natiunea, limba si literatura portuguesa. Intre cele doua destine a existat o anumita asemanare.
Sunt doua motive pentru care am postat acest blog in aceasta forma (tradus) , primul ar fi unul de natura esoterica a evenimentului apropiat 21.12.2010 ,Solstitiul de Iarna, Yule, Sarbatoarea Stelei relationata cu mesajul Luceafarului in sine; a doua este propagarea culturii cu scopul de-a demonstra ca in orice limba mesajul este acelas pentru ca indiferent de cultura,culturalism sau unghiul perspectivei din care vedem un fapt …in final absolut toti vorbim despre aceleasi lucruri. Educatia si cultura nu au frontirere.
Muito agradeçido e obrigado pela ajuda minha qq.i. Isabel, diz!
Dan Constantine Izvernariu _ Lisboa Portugal  Inverno de 2010

 

Era uma vez – diz-se tal qual
Em lenda assombrosa Nascida
de casta real,
Donzela muito formosa,
E filha só, nesses confins
A mais bela das belas,
Qual Virgem entre serafins
E lua entre estrelas.
De arco sumido em escuridão
Os passos endireita
Para a janela, onde então
Estava o Luzeiro a espreita.
Longe nos mares a nascer
Vê-o fulgir na treva,
Pelos carreiros a tremer
Escuros barcos leva.
Dia após dia o vê , e assim
Eis que a paixão é certa;
E ele, de tanto olhar, por fim
Também p’ra o amor desperta.
Afronte em jeito sonhador
Encosta ela na palma,
Quando lhe inunda esse dulçor
O coração a alma.
Com que fulgores não conduz
Ele, mal anoitece,
Para o castelo negro a luz
Quando ela lhe aparece!
E passo a passo segue atrás
Na alcova se insinua,
De gélidas centelhas faz
Teia de chama nua.
Quando ela está consigo a sós
E reclinar se deixa,
As mãos em cruz lhe roça, após
As pálpebras lhe fecha.
Clarões do espelho para cá
No corpo se desejam
No rosto que voltando está,
Nos olhos que latejam.
Ela o fitava a sorrir,
No espelho ele tremia,
Que bem adentro em seu dormir
A alma lhe prendia.
E ela a sonhar com ele, tem
Fala em gemente afogo:
- «Senhor das noites, doce bem,
Porque não vens? Vem logo!
Desce num raio devagar,
ó meu Luzeiro brando,
Entra-me em casa e no pensar,
A vida me alumbrando!»
Ele tremendo a escutou,
Mais forte ainda brilhava
E qual relâmpago saltou,
Nos mares se afundava;
Então a água onde caiu,
Em círculos se alarga,
E jovem lindo emergiu
Da misteriosa vaga
Ligeiro, como por um vão,
Passa do vidro ao lado,
Segura ceptro em sua mão
De limo s coroado.
Jovem de porte senhoril,
Cabelo de ouro a solta,
Traz um lençol de cor de anil
Que aos ombros nus dá volta.
Sombra de céreo palor
Em diáfano semblante -
É um morto em todo o resplendor
De olhar vivo e brilhante.
- «Custou da minha esfera aqui
Vir, tua chamada ouvindo,
O mar é a mãe de que nasci,
E o pai – o céu infindo.
Para te ver melhor ousei
Entrar pelos teus lares,
Com o sereno azul baixei
E fui nascer dos mares.
-Oh , meu tesoro amado, vem
Eo mundo teu enjeita,
Sou o Luziero do além
Sê tu a minha eleita.
Levo-te aos paços de coral
Imensidão de anos
Terás em submissão cabal
O povo dos oceanos.>>
<<-Oh, es tão belo-tanto ou mais
Só anjo em fantasia!
Mas no caminho tei jamais
Seguir eu poderia:
Estranho porte e tu reluzes,
Eu viva sou, tu morto vens
Gelar-me em tuas luzes.>>
Passa um dia,passam três,
Voltando pelo escuro
Manda o Luzierooutra vez
O seu fulgor tão puro.
Ela, tombada em seu langor,
Decerto que o recorda,
No coração pega-lhe o ardor
Pelo Senhor da onda:
- «Em raio a deslizar dos céus
Desce, Luzeiro brando,
No lar e pensamentos meus,
A vida me alumbrando!»
Assim que ouviu no alto a voz,
Extinguiu-se de tormento,
E lá onde sumiu se pos
A roda o firmamento;
A flama rutila no ar
Abrange inteiro o mundo,
E linda imagem devagar
Surge do caos profundo;
Na treva de seus caracóis
Leva coro a que arde,
Banhado em fogo de mil sóis,
Flutuava de verdade.
Do negro manto lhe descai
O seu marmóreo braço;
Triste, com ar absorto vai
E o rosto dele é baço;
Os olhos só, fundos clarões,
Quiméricos refulgem,
São dois abismos de paixões
Que do escuro pungem.
- «Da minha esfera bem custou
Tornar a ouvir-te ainda;
O sol é o pai que me gerou,
E a mãe – a noite infinda;
Oh, meu tesouro amado, vem
E o mundo teu enjeita;
Sou o Luzeiro do além,
Se tu a minha eleita.
Oh, vem, e deixa-me cingir
Em trança de ouro estrelas,
E nos meus céus irás surgir
Mais linda do que elas»
«Oh, és tão belo – tanto ou mais
Só demo em fantasia!
Mas no caminho teu jamais
Seguir eu poderia!
Magoa teu cruel amor
As cordas do meu peito,
Nos olhos pesa, abrasador,
De tua mirada o jeito».
- «Mas como podes tu querer
Que eu desça qui, menina,
Nao ves que é imortal meu ser
E a morte é tua sina?»
- «Ai, que palavras buscarei,
Se nem lhes tenho a arte
Embora fales como eu sei
Não posso alcançar-te;
Mas se quiseres que leal
Namoro haja contigo,
Aterra desce e, mortal,
Fica a viver comigo».
«Um beijo teu queres trocar
Por minha eterna vida?
Mas eu também te vou provar
O quanto me és querida;
Nascendo no pecado, sim,
Eu outra lei abraço:
O eterno a que estou preso enfim
Me vá quebrar o laço!».
E foi-se … foi – longe partiu.
De amores impelido
Dias a fio ele sumiu,
Dos altos desprendido.
Mas entretanto um rapaz,
Catalim, o copeiro,
Que vinho aos convivas traz
Com jeito de matreiro,
E a cauda das vestes reais
Pé ante pé segura;
Criado lá pelos quintais,
De ousada catadura,
E faces de papoula em flor
- Olhar mau nao lhes pegue!
A Catalina, espreitador,
Sem descansar persegue.
- «Ai, mas que linda que ela está,
Benza -a Deus! … e que porte!
Vá Catalim, agora já
Hás-de tentar a sorte!»
Chegando-lhe de manso ao pé,
Apanha-a em canto estreito:
- «O Catalim, mas o que é?
Vai-te, que nao tem jeito!»
- «O que é? Cismando tanta vez
Absorta eu te vejo,
Quero que rías e me des
Um beijo, só um beijo».
- «Vá, deixa-me, o desejo teu
Nao sei qual é em verdade
Ah, do Luzeiro lá no céu
Tenho mortal saudade!»
- «Se é que nao sabes, eu a ti
O amor te ensinava
Por miúdo; vá, aguenta aí
E nao te ponhas brava.
Tal como em mato vai estender
Laço quem aves caça,
Se com o braço te prender,
Com o braço teu me enlaça;
Os olhos teus sempre a fitar
Sob os meus olhos sinta …
Os calcanhares vais alçar,
Se eu te alçar pela cinta;
Se a cara eu baixar depois,
Mantém a cara erguida,
Sófrego e terno olhar os dois
Troquemos toda a vida;
E para ter do amor real
Ciencia mais sobeja,
Ao inclinar-me, por igual
Se eu te beijar me beija».
Ela em vago assombro cai
Ouvindo o rapazinho,
Tanto o enjeita como o atrai,
Com tímido carinho
Murmura: – «Em anos que lá vao
Criança te sabia,
Um estouvado e um palrao
Comigo bem daria …
Mas um luzeiro que surgiu
De olvidadas plagas,
Infindo horizonte abriu
A solidao das vagas;
Se os olhos baixo, el minha dor
No pranto acho disfarce
A larga, quando a onda for
Para ele encaminhar-se;
Com que paixão vem a luzir,
Que eu de sofrer descanse,
Porém mais alto a subir,
Para que o nao alcance.
Gélido e triste aqui reluz
Do mundo que o separa …
P’ra sempre o amo e sua luz
Sempre tão longe pára …
Por isso os dias meus aqui
Sao ermos qual deserto,
Mas santo enlevo a noite vi
Que nao atino ao certo».
- «Criança é que tu és… A sós
Vamos depressa embora,
Nem nome, nem rastro de nós
Saibam p’lo mundo fora,
Sensatos tu e eu, para mais
Sadios e ligeiros,
Já nao te farao falta pais
Nem sonhos de luzeiros».
*
Parte o Luzeiro. Pelo ar
As asas lhe cresciam;
Caminhos de anos por milhar
Num ápice corriam.
Por baixo, céu de estrelas tem,
Por cima, céu de estrelas
Como em clarão seguido vem
Errando através delas. \”
Dos vales do caos via então,
Brotando em chuveiro,
Luzes, lembrando a Criação,
Que foi Día Primeiro,
Aos mares surgem -lhe em redor,
Que a nado cruza; ainda
Voa, absorto em seu ardor
Lá onde tudo finda.
Onde ele vai confins nao há
Nem olho tem alcance,
E do vazio o tempo lá
Em van tenta gerar-se.
Lá nada é, e mesmo assim
É sede que o traga,
É cego olvido sem ter fim
O abismo que se alarga
- «Do escuro eterno, ó meu Pai,
O peso me desata,
E sempre a criação Te vai
Entoar loa grata;
Pede, Senhor, preço qualquer,
Mas dá-me outra sorte,
Que Tu és fonte de viver
E és Tu que dás a morte;
Me tira as auras imortais
E o fogo do semblante,
Em troca nao te peço mais
Que amar … só um instante.
Do caos, Senhor, apareci
E ao caos voltar espero …
Foi do repouso que nasci,
Repouso é o que mais quero».
- «Hypérion, que foste surgir
Do abismo com um mundo,
Sinais e graça vens pedir
Sem nome e sem fundo;
Queres humana condição,
A deles parecida? …
Pereçam homens, nascerão
Mais homens em seguida.
Tão só goradas ilusoes
Eles aos ventos erguem,
Vagas que morram, multidões
De vagas inda seguem.
Eles só tem astros de azar
E astros de boa sorte,
A nós, sem tempo nem lugar,
É-nos alheia a morte.
Do ontem imortal nasceu
O hoje que perece;
Sol que se apague lá no céu,
Sol novo resplandece;
Como que eterno, vai-se erguer,
A morte atrás lhe corre,
Pois tudo nasce p’ra morrer
E para nascer morre.
Mas tu, Hypérion durarás…
Em teu pousar soberbo
Queres tu espírito sagaz?
Pede o Primeiro Verbo.
Queres que de a boca voz:
Por mor de seus cantares,
Montes e matos leve após
E as ilhas desses mares?
Queres justiça e valor
Mostrar com tua proeza?
A terra em troços vou dispor
A tua realeza.
Nau após nau trago-te aos pés
E hostes, que atravesses
A terra, o mar, de lés a lés
Mas morte nao … nem penses.
Queres morrer – e para quem?
Retorna, lesto voa
E ve o que te aguarda além
Em terra que anda a toa».
Ele como antes tremeluz
Nas matas e nos montes,
De ondas a vaguear conduz
Os ermos horizontes;
Porém, tombando lá do céu,
A vaga já nao corta:
- «Rosto de barro – seja eu
Ou outro – que te importa?
Vos prende a sorte a vossa lei
Do instante fugidio;
No mundo meu perdurarei
Eu, imortal e frio».

Rugaciunea lui Dante


 

NOTA:Plansele cu tematica alchimica vor reveni in publicare dupa Samhain
31/01-11-2010 respectand astfel traditia povestilor si a poeziei in prag de sarbatoare (sabbath)

 

Rugaciunea lui Dante

(adaptare)

VIDEO LINK  YouTube Loreena McKennite _Dante Payer

 

 

Cand lemnul de culoare inchisa a cazut in fata mea

Si toate drumuriile sunt prea lungi

In clipa in care preotii spun cu mandrie:

“Nu exista nici o alta cale…”

Am lucrat cu dureri in  piatra

 

Nu am crezut, pentru ca nu puteam vedea

Dar ai venit la mine in noapte

Cand zorii preau pierduti pentru totdeauna

TU mi-ai aratat iubirea ta in lumina stelelor

 

Navigheaza cu ochii peste oceane

Navigheaza cu sufletul pe mare

Cand noaptea intunecata pare fara sfarsit

Am sa te rog sa nu ma uiti

 

Apoi un munte a crescut inaintea mea

Din profunda dorinta

Din fantana iertarii

De dincolo de gheata si foc

 

Navigheaza cu ochii peste oceane

Navigheaza cu sufletul pe mare

Cand noaptea intunecata pare fara sfarsit

Am sa te rog sa nu ma uiti

 

Ne este impartasita acesta cale

In care umili si singuri aflam cat de fragila este inima

Oh, da-ne aripi picioarelor de lut pentru a zbura

Pentru a atinge fata stelelor.

 

Respira cu viata in aceasta inima slaba

Ridica acest val macabru al fricii

I-a aceste sperante desarte gravate cu lacrimi

Si ne vom ridica peste aceste griji pamantesti

 

Navigheaza cu ochii peste oceane

Navigheaza cu sufletul pe mare

Cand noaptea intunecata pare fara sfarsit

Am sa te rog sa nu ma uiti

 

Poemul XX Neruda ( In Limba Romana)


The Typewritter speech INTRO

Plansa culturala nonesoterica (Dragostea, tema)

Poemul Dragostei (Poemul XX)

Pot sa scriu versurile cele mai triste in aceasta noapte.

Pot sa scriu spre exemplu : “Noaptea si al ei fior este fracturata de acele stele in departare”

Noaptea, vantul se transforma in cer si canta.

Pot sa scriu cele mai triste versuri in aceasta noapte.

Am iubit-o, uneori , ea ma iubea insa,mai mult.

In nopti ca acestea ne-am tinut in brate.

Ne-am sarutat indelung sub cerul infinit

Ea m-a iubit, uneori,m-a iubit prea mult

Cum sa nu iubesc enorm, acei ochi.

Pot sa scriu cele mai triste versuri in aceasta noapte

Gandind ca nu o mai am, simtind ca am pierdut-o.

Ascultati imensitatea noptii ce este mai vasta fara ea.

Versuriile cad asupra sufletului meu ca roua pe iarba

Ce conteaza…ca nu am putut pastra dragostea mea

Noaptea instelata si ea , nu este cu mine.

Aceasta e toata povestea mea. Cineva canta departe.

Sufletul meu nu se poate linisti ca a pierdut-o.

Iar ochii mei ii cauta .Ochii mei o cauta doar pe ea.

Inima mea o cauta doar pe ea; ea nu este cu mine.

Aceiasi noapte straluceste in aceleasi ramuri.

Dar noi din acel moment nu mai suntem la fel.

Eu nu o mai iubersc , asta e sigur, asa cum am iubit-o

Vocea mea a incercat sa gaseasca briza pentru a ajunge la ei.

Este cu altul, cu alte sarutari , cu sarutari la fel ca ale mele.

Vocea ei, trupul ei luminos,ochii infiniti de profunzi.

Eu nu o mai iubesc, e sigur, dar poate ca inca o mai iubesc

Dragostea este efemera insa uitarea dureaza mult.

Pentru ca in aceste nopti am tinut-o in brate.

Sufletul meu e nelinistit ca a pierdut-o.

Deci , acest lucru este durearea mea ultima ce ma va face sa sufar

Si acestea sunt ultimile randuri ce le voi scrie pentru EA.

VIDEO LINK MY SPACE RECITAL ORIGINAL En Españhol & music